Temporada 2018
junho
s t q q s s d
<junho>
segterquaquisexsábdom
2829303112 3
45 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
181920 21 22 23 24
25 26 27 28 29301
2345678
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRÓXIMOS CONCERTOS
Hector BERLIOZ
Romeu e Julieta, Op.17: Romeu só - Grande Festa na Casa dos Capuletos
Carl Maria von WEBER
Peça de Concerto para Piano em fá menor, Op.79
Francisco MIGNONE
Fantasia Brasileira nº 4
Pyotr Il'yich TCHAIKOVSKY
Romeu e Julieta - Abertura-fantasia
George BENJAMIN
Octeto
Franco DONATONI
Arpège – Para Seis Instrumentos
Eduardo Guimarães ÁLVARES
Bricolage: Homenagem a Mauricio Kagel
Igor STRAVINSKY
Dumbarton Oaks - Concerto em Mi Bemol Maior Para Orquestra de Câmara
Aleksandar RAICHEV
O Bosque do Inverno
Hristo NEDYALKOV
Canção da Amizade
Parashkev HADJIEV
Boa Noite
Melodia BÚLGARA
Radi para Radka falava
Panayot PIPKOV
Tagarela Cotovia
Melodia AUSTRÍACA
Maria costurar
Melodia MEXICANA
Chapanecas
Antonín DVORÁK
Meu Doce Lar
Melodia FRANCESA
Ao findar de mais um dia
Cânone Inglês do Séc.XIII
Chegada do Verão
Melodia NAPOLITANA
Santa Lucia
Hino Acadêmico TRADICIONAL
Gaudeamus igitur
Orlando GIBBONS
Drop, drop, slow tears
Johann Sebastian BACH
A Paixão segundo São João, BWV 245: O grosse Liebe
Luca MARENZIO
Ad una Fresca Riva
Thomas MORLEY
April In My Mistress's Face
Josquin des PREZ
El Grillo
Wolfgang A. MOZART
Ave Verum Corpus, KV 618
Joseph HAYDN
Missa Breve a São João de Deus: Kyrie
Heitor VILLA-LOBOS
Rosa Amarela
O Canto do Pajé
SPIRITUALS
Go down Moses
Deep River
Down by the Riverside
Kenneth LEIGHTON
Crucifixus pro nobis, Op.38: Drop, drop, slow tears
Alfred SCHNITTKE
Concerto para Coro: Ó mestre de tudo o que vive
Gregorio ALLEGRI
Miserere Mei, Deus
Henryk GÓRECKI
Miserere, Op.44: Miserere nobis
Totus Tuus, Op.60
John TAVENER
Canção para Atena
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
Restauro









O Projeto arquitetônico

Por Nelson Dupré


No início de 1997 fui convidado pela Secretaria de Estado da Cultura, através do engenheiro Ismael Solé, a participar da concorrência para a restauração da Estação Júlio Prestes e sua adequação para o uso da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, com a implantação de uma sala de concertos. Os desafios me pareciam muito grandes: isolamento e tratamento acústico, restauração e nova arquitetura. Minha experiência prévia em restauração e projetos de teatros e auditórios não me pareceu suficiente, e busquei complementá-la visitando salas de concertos citadas como referência na América do Norte e Europa, estudando seus palcos, sistemas acústicos, áreas de apoio, acessos e fluxos, sentindo como elas soavam, vazias ou em concertos.
Não foi sem conflitos que o projeto chegou a ser definido. A consultoria acústica norte-americana, a cargo da Artec, havia definido alguns padrões para a ocupação do antigo Grande Hall da Estação como sala de concertos. A sugestão do forro móvel, que permitia dar flexibilidade acústica à sala, parecia-nos também garantir uma completa visibilidade do espaço arquitetônico. Entretanto, havia conceitos questionáveis, como o total recobrimento da parte inferior da sala por um balcão corrido e painéis acústicos, que em absoluto garantiam a valorização daquele patrimônio. Nesse debate entre necessidades arquitetônicas e parâmetros acústicos foi fundamental o apoio do consultor acústico brasileiro José Augusto Nepomuceno, e dos profissionais do Condephaat, até chegarmos à solução de balcões individualizados.
Todos os detalhes foram exaustivamente pensados. Parecia-me importante chegar a um desenho simples e coordenado para os novos componentes do espaço, evitando interferências com a arquitetura existente. Na madrugada do último dia de uma semana de discussão com a Artec, em Nova York, sentado na cama do hotel, insone, me ocorreu a ideia que seria adotada para revestir os balcões e os módulos do forro da sala. O conceito é simples: se o ponto de emissão do som no palco for fixo, para se ter uma reflexão sonora multidirecional sempre diferenciada, basta se ter um mesmo elemento multifacetado que se repita em todas as faces de todas as novas superfícies.
E como esse, nasceram milhares de outros detalhes, dessa que foi, sem dúvida, a obra mais significativa de minha vida, ao sintetizar a experiência e conhecimentos de arquitetura e engenharia acumulados ao longo da minha experiência profissional. Mas o resultado final só foi possível graças, também, a uma equipe técnica altamente motivada, com arquitetos participando diretamente na obra, dos quais me orgulho e a quem agradeço ―especialmente à arquiteta Luizette Davini que, no comando desse escritório e na coordenação do projeto, me deu a liberdade necessária para pensar, voar e poder brincar de ser arquiteto como sempre sonhei.
Coroando esse esforço, o projeto da Sala São Paulo recebeu o prêmio de honra 2000 da USITT – United States Institute for Theatre Technology. Foi uma grande satisfação ouvir o arquiteto Richard Blinder, responsável pela recente restauração da Grand Central Station de Nova York, enquanto apresentava diapositivos da obra, anunciar o prêmio diante de uma plateia de 1.500 pessoas, dizendo ser a obra merecedora da distinção “pelo impressionante trabalho de arquitetura efetuado ao transformar uma estação ferroviária em operação em uma fantástica sala de concertos, com os incríveis desafios de acústica que a obra apresentava”. Era a primeira sala de concertos no Brasil e já havia um reconhecimento internacional da sua excelência.

Nelson Dupré
Arquiteto responsável pelo restauro e readequação da Sala São Paulo.